emagrecimento

Quais os riscos da cirurgia da batriátrica?

Quais os riscos da cirurgia da batriátrica?

Quem pode fazer a cirurgia bariátrica? Vale a pena fazer? Quais são os riscos?

A pressa é sem dúvida o principal fator de desistência do processo de emagrecimento. Essa ânsia pelo resultado tem levado muitas pessoas a buscarem as cirurgias de redução de estômago por pensarem que trata-se de um método fácil e rápido para emagrecer. Esse é um grande erro, pois primeiro não é nada fácil e segundo porque não é muito mais rápido do que seria com um processo de emagrecimento planejado, com apoio profissional e o benefício de não se submeter aos riscos cirúrgicos.

Entre os anos de 2012 e 2017, houve um aumento de 46% no índice de cirurgias bariátricas realizadas no Brasil de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. O alto índice de crescimento tem preocupado os profissionais que trabalham com emagrecimento de forma ética e comprometida com a saúde do paciente acima de tudo. Ela se popularizou como alternativa para qualquer uma que queira fazer, mas esse é um erro grave.

Para quem a bariátrica é recomendada?

A cirurgia é recomendada para pessoas com obesidade mórbida, isto é, IMC acima de 35, quando há risco de vida iminente por consequência da obesidade ou quando comprovadamente a pessoa já tentou emagrecer durante um período mínimo de dois anos por meio de outros métodos.

Será esse o caso de todas as pessoas que geraram esse altíssimo crescimento na realização de cirurgias? Eu posso afirmar que não. O crescimento das cirurgias é mais uma consequência da ansiedade, do medo de enfrentar desafios, do desejo por resultados rápidos e da desinformação que tem sido propagada por profissionais que visam o lucro acima de tudo.

O desejo de fazer bariátrica antes de avaliar outras opções é alimentado pela expectativa de que basta emagrecer para gostar de si mesma e ser feliz, quando a verdade é que primeiro você a gostar de si mesma e emagrece como consequência da mudança. Emagrecimento físico sem mudança emocional não muda a vida a ninguém.

Então a cirurgia bariátrica é errada?

Não! É errado buscar a cirurgia bariátrica como primeira opção, pensar que é um processo fácil e enfrentar uma cirurgia antes de avaliar todos os fatores de risco. Se está pensando em fazer uma cirurgia bariátrica, comece procurando um psicólogo. Vamos falar sobre seus motivos, suas tentativas, seus planos e acima de tudo, sobre suas condições psicológicas para fazê-la.

A mudança de vida acontece durante o processo de emagrecimento e não no resultado. Se o processo for errado, focado no prazo e não no aprendizado você pode até perder gordura, mas não perderá os velhos hábitos ruins que te levaram a engordar. Desse modo, há um grande risco de que nenhuma mudança de vida aconteça e a pessoa volte a engordar.

A cirurgia bariátrica oferecer pelo menos 25 complicações possíveis, tanto físicas como psicológicas. Por essas razões ao pensar em fazer uma cirurgia bariátrica o primeiro passo é procurar um psicólogo para saber se é necessário enfrentar esses riscos ou se ainda existem outras opções. Se você pensa em fazer a cirurgia, entre em contato e vamos fazer uma avaliação.

Se de fato for uma opção para você a psicoterapia é vital para os resultados.

Posted by Psicóloga Luciana Brasil in Todos
Quero emagrecer. Por onde começar?

Quero emagrecer. Por onde começar?

Se quer mesmo emagrecer a primeira coisa é tomar uma providência agora mesmo, não estipular uma data para começar. O que já dá para fazer hoje mesmo como um primeiro passo?

No dia internacional de início das dietas, segundas-feiras, vamos falar de começos? Quando queremos promover alguma mudança na nossa vida é muito comum começarmos na segunda-feira. Não é ruim, pois o início de uma semana é um bom gatilho para começar algo novo. É interessante, mas também é bom ficar atento a esses prazos que colocamos para começar alguma coisa. Se for prioridade mesmo não adiamos, não impomos condições, começamos o mais rápido possível.

Se quer mesmo emagrecer a primeira coisa é tomar uma providência agora mesmo, não estipular uma data para começar. O que já dá para fazer hoje mesmo como um primeiro passo?

Eu tive uma paciente que tinha o péssimo hábito de dormir tarde, acordar cansada e se atrasar para os compromissos da manhã. Durante muito tempo teve esse hábito e sempre dava um jeito aqui outro ali para administrar os problemas causados pela agenda atrasada no período da manhã. Foi agindo assim até que um dia perdeu um compromisso muito importante, com consequências sérias porque estava atrasada.

Olhando para si mesma e para tudo que seu péssimo hábito estava causado na sua vida e que naquele dia comprometeu muito do que ela estava fazendo de bom, decidiu que era hora de mudar. Ela não esperou a segunda-feira, mudou no dia seguinte. Fez um plano, traçou estratégias, criou mecanismos de motivação e há mais de um ano ela cumpre toda a sua agenda pela manhã sem atrasos.

Qual foi o grande motivador para a mudança? A consciência da perda. O que ela estava perdendo por cultivar um hábito ruim e o que ela ainda iria perder. Leve isso para sua má alimentação e sedentarismo. O que você está perdendo e o que você ainda pode perder. Visualise as consequências, seja realista, não se esconda atrás das justificativas, assuma que o erro é seu e que a mudança também pertence a você!

Vamos lá? É hora de planejar.

Ciente das perdas, da responsabilidade e motivada a mudar. Como mudar? Você precisa de um planejamento. Um bom plano:

✔Deve ser voltado para os resultados visando eficiência das ações.
✔Deve fazer ser baseado na racionalidade e não nas emoções.
✔Deve incluir as possíveis interferências nas ações e as alternativas.
✔Deve ser sistêmico, considerando todos os aspectos do processo.
✔Deve ser flexível e, se necessários, sofrer ajustes que não interfiram no resultado.
✔Deve ser continuo. À medida que as ações acontecem outras são planejadas.

Imagine o processo de emagrecimento em cada uma dessas etapas. Pense na sua vida atualmente e como cada um desses itens se aplica nas coisas que precisa fazer para emagrecer. Há um grau de complexidade nesse processo, pois é necessário reflexão sobre si mesmo, conhecimento das suas condições estruturais e emocionais para executar.

“Eu quero”. Como executar?

Pessoas que estão com a vida desorganizada estruturalmente e emocionalmente não conseguirão executar o plano, pois não saberão lidar com todos os obstáculos que surgirem. É nesse momento que a terapia a faz diferença, pois vamos tratar as causas que estão levando a pessoa a ter uma vida desorganizada. À medida que as emoções vão se organizando, a pessoa passa a querer colocar ordem em todos os aspectos da vida que estão incomodando como, por exemplo, o peso.

Se você realmente quer emagrecer a primeira coisa que você deve se perguntar é como está sua vida emocional.

Há uma forma de autoavaliação imediata simples de fazer. Observe como estão os armários da sua casa? Como estão suas gavetas? Como está sua mesa de trabalho? Como está sua vida financeira? Como está sua rotina? Se você não encontrar o mínimo de organização nesses itens, pode ser um sinal de que suas emoções estão fora do lugar. O processo de emagrecimento deve começar por aí, emoções em ordem, projetos de vida em ordem.

Posted by Psicóloga Luciana Brasil in Todos
Como fazer reeducação alimentar?

Como fazer reeducação alimentar?

Muitas pessoas pensam que para emagrecer será necessário fazer os sacrifícios insustentáveis de uma deita, quando na verdade o sucesso está na reeducação alimentar que acontece a partir da mudança de pequenos hábitos diários. Não estou dizendo que é fácil, mas garanto que é sustentável e a única forma de gerar um resultado duradouro. Dietas trazem resultados rápidos que vão embora na mesma velocidade. Reeducação alimentar é um processo longo que pode durar uma vida inteira.

A reeducação alimentar pode ser compreendida em três etapas: a primeira é identificação dos hábitos alimentares nocivos a saúde; a segunda é a modificação do comportamento alimentar e a terceira é a manutenção dos novos hábitos. Vamos entender melhor cada uma dessas etapas.

Identificar os hábitos

Para identificar seus hábitos alimentares há um exercício simples que pode te mostrar detalhadamente como está sua alimentação. Durante uma semana anote detalhadamente a sua rotina alimentar focando nos seguintes itens:

1 – Quais horários você se alimentou durante o dia?
2 – Quais alimentos você ingeriu em cada refeição?
3 – Quais as quantidades ingeridas?
4 – O que você fez enquanto comia?
5 – Em qual local/ambiente você se alimentou?
6 – Como você se sentiu após se alimentar?

Depois de uma semana observe o que predominou na sua rotina. Mais hábitos saudáveis ou mais hábitos ruins. Com esse exercício você conseguirá sem mais honesta consigo mesma a respeito dos hábitos prejudiciais que estão na sua vida e poderá tomar uma iniciativa para mudar cada um deles.

Mudar os hábitos

Toda mudança de hábito envolve mudança de comportamento por isso sempre vou defender que o processo deve começar um psicólogo. O excesso de peso sempre está ligado a uma rotina ruim, que está ligada a dificuldade de organização, que está ligada a questões emocionais. O excesso de peso é como a pequena ponta solta de um novelo, enquanto você desenrola muitas partes vão se revelando e você sempre encontrará a mesma coisa no centro, nesse exemplo, são as questões emocionais.

Faça um bom plano de mudança de hábitos com o auxílio de um psicólogo e um nutricionista. Caso necessário, esses profissionais ainda podem te indicar outros. O plano é uma orientação para ajudar a deixar de lado uma alimentação desordenada e passar a priorizá-la na rotina, considerando a qualidade dos alimentos, a quantidade e o tempo para comer. Um plano alimentar sustentável levar em consideração o estilo de vida de cada pessoa, preferências e orçamento. São hábitos que podem ser levados para o resto da vida e incorporados na rotina da família.

Manter os hábitos

Depois de perder peso você entra na fase de manutenção, e isso é para sempre. Não significa que você não poderá comer um chocolate nunca mais e viverá na academia, mas alimentação saudável e exercícios devem se tornar um estilo de vida. Chocolate e dia da preguiça serão exceções para sempre. Não pense nisso como um sacrifício, pense como parte de uma nova vida muito melhor que a anterior.

Quando se sentir tentada a relaxar pense em coisas do dia a dia que você não conseguia fazer quando estava acima do peso e agora consegue. Por exemplo: comprar roupas com mais facilidade, se sentir mais à vontade na piscina, dar uma volta no parque sem se sentir esgotada.

Estabeleça outras metas saudáveis. Agora que perdeu o peso não seria legal melhorar seus tempos nos treinos, definir a musculatura ou participar de uma corrida de rua? Pense em algo que vá te motivar a continuar experimentando boas conquistas como resultado de uma vida saudável.

Posted by Psicóloga Luciana Brasil in Todos
Problemas Emocionais estão entre os principais causadores de Obesidade

Problemas Emocionais estão entre os principais causadores de Obesidade

Problemas Emocionais e Obesidade:

Comer nos momentos de ansiedade, angústia, tristeza, desânimo, estresse e sentimentos semelhantes, geralmente, é o principal comportamento que levam às pessoas ao sobrepeso e obesidade. Isso acontece, por dois fatores principais:

Fator Fisiológico: ao ingerir alimentos, especialmente os ricos em carboidratos e açúcar, há um aumento da carga glicêmica no organismo causando imediata (e passageira) sensação de prazer.

         Fator Psicológico: desde a infância somos ensinados a ter uma relação emocional com a comida. Comer representa conforto, aconchego e demonstração de afeto de alguém por nós.

A combinação desses dois fatores torna a comida um poderoso remédio imediato para amenizar os sentimentos negativos. O efeito é semelhante ao de uma droga, assim que a sensação de prazer passa, os problemas irão parecer ainda maiores, pois aliado a eles estará o sentimento de culpa, frustração e fracasso por não ter tomado atitudes racionais diante do problema.

O que te incomoda hoje? Seja sincero consigo mesmo e assuma qual é o problema causador do vazio que você está tentando preencher com comida. Se esse assunto não for resolvido, dificilmente, seus esforços para emagrecer darão certo. Cuide da sua mente, do seu bem estar e um corpo saudável será consequência. Se estiver difícil achar um caminho para isso sozinha, procure ajuda psicológica.

O Psicólogo Especialista em Emagrecimento irá te ajudar a compreender o que é fome psicológica, o que é fome fisiológica, quais são os gatilhos para sair da dieta, entender quais são os pensamentos sabotadores que te tiram do foco; além de entrar em contato com sentimentos mais profundos que levam à obesidade apenas como sintoma desta insatisfação (ponta do iceberg).

Visite meu perfil no Doctoralia:https://www.doctoralia.com.br/medico/brasil+luciana-14811726

Quer saber mais? Visite meu perfil no Instagram:https://www.instagram.com/psiquemagra/

Posted by Psicóloga Luciana Brasil in Todos